Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Nameless Blog

Já foi “Som das Letras” e um narcisista “Blogue da Paula”. Foi um prolongamento da eterna ínsula, tendo sido denominado como “Ilha Paula”. Hoje, é um blogue sem nome para que seja aquilo que sempre foi: um blogue sobre tudo e nada.

The Nameless Blog

Já foi “Som das Letras” e um narcisista “Blogue da Paula”. Foi um prolongamento da eterna ínsula, tendo sido denominado como “Ilha Paula”. Hoje, é um blogue sem nome para que seja aquilo que sempre foi: um blogue sobre tudo e nada.

01 de Maio 2016: um dia tão cheio

Dia da(s) Mãe(s)

mae.jpg

De uns anos a essa parte, elegeu-se o primeiro domingo do mês de Maio para ser festejado como o Dia da Mãe e, claro, que não poderia deixar essa efeméride passar em branco sem deixar aqui a minha gratidão à mulher que me deu à luz, que me acompanha em quase 38 anos, que tem sido a minha companheira, mas sempre sem descurar dos puxões de orelhas quando eram (e são) necessários eque me fez ser a mulher que hoje sou, com os valores que tenho.

 

Obrigada, mãe! Por tudo.

 

 

E da(s) futura(s)

_MG_5364.jpg

Já são quase trinta e cinco semanas, ou seja, estamos a pouco mais de um mês para o fim da gestação e para o início de uma nova etapa da nossa vida.

 

Estando tão perto da vinda do nosso menino, questiono-me como serei como mãe e se serei capaz de dar conta do recado e da responsabilidade que é educar uma criança, incutir valores e responsabilidades, ensinar a respeitar os outros.

 

Às futuras mães, um feliz dia!

 

 

Dia Internacional do Trabalhador

small_1029-dia-do-trabalhador.jpg

Festejado livremente em Portugal desde 1974, apenas 6 dias depois da Revolução dos Cravos ter feito cair o Regime Ditarorial, esse é o dia para sair à rua e lutar pelos nossos direitos, por melhores condições laborais e para acabar com a precaridade laboral.

 

Um raciocínio utópico?

Sim, com certeza! Mas mesmo assim há que lutar e nunca silenciarmo-nos.

 

 

Domingo de Santo Cristo dos Milagres (que só dirá qualquer coisa aos açorianos que aparecerão por aqui)

santo cristo.jpg

No quinto domingo após a Páscoa celebra-se, na ilha de São Miguel, o culto e as festas em honra do Senhor Santo Cristo dos Milagres - a maior e a mais antiga devoção que se realiza no país e que só encontra paralelo com a devoção de Nossa Senhora de Fátima e que todos os anos atrai milhares de açorianos, de dentro e da diáspora, para celebrarem a imagem venerada por todos.

 

A imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres trata-se de uma imagem de madeira sob a forma de relicário, de autor desconhecido, em estilo renascentista, representando o "Ecce Homo", ou seja, o episódio do martírio de Jesus em que este é apresentado à multidão após ter sido flagelado, de punhos atados, com o torso despido, com a coroa de espinhos e os ombros cobertos por um manto púrpura. 

 

De acordo com documentos históricos, é atribuído ao Papa Paulo III (1534-1549) a oferta da imagem a religiosas que se terão deslocado a Roma para obterem autorização de instalar o primeiro convento da ilha de São Miguel, na zona da Caloura. E assim foi feito até ao momento que, por estar demasiado exposto aos ataques dos corsários que dominavam os mares e saqueavam as riquezas encontradas em terra, as religiosas transferiram-se primeiro para o Convento de Santo André, em Vila Franca do Campo e, posteriormente, para o Convento de Nossa Senhora da Esperança, em Ponta Delgada, local que, desde então, se poderá encontrar a imagem do Senhor Santo Cristo.

 

Dizem que a primeira procissão ter-se-á relizada pela iniciativa da Madre Teresa da Anunciada que, com o apoio da população na sequência de uma prolongada crise sísmica, levou a imagem às ruas de Ponta Delgada, passando por todas as igrejas e conventos existentes na cidade. A data dessa primeira procissão é, contudo, controversa. Uns apontam para o dia 11 de Abril de 1700; outros dizem que terá sido em 1698. Datas à parte, o certo é que, em 2016, milhares continuam a deslocar-se a São Miguel para celebrarem esse dia, matarem saudades da terra e, principalmente, para pagarem a promessa feita num qualquer momento de aflição.

 

Dia dos Maios

maios.jpg

Na minha infância e, esporadicamente, na minha adolescência, era habitual acordar cedo no primeiro de dia de Maio para percorrer alguns artérias da aldeia para ver os Maios – uns bonecos que representam pessoas, sozinhas ou em grupo, representando cenas do quotidiano (passado e actual).

Na madrugada de 1 de Maio, os Maios são colocados nas varandas, portas, ruas e jardins da terra e, ao pôr-do-sol, de forma quase subtil, desaparecem regressando no próximo ano.

 

Dia das Amigas. Está instalada a loucura nas ilhas

Já foi falado aqui e aqui, por isso não vou expôr o que acontece hoje nas ilhas do arquipélago dos Açores, mas não posso deixar de alertar quem está previsto aterrar naquelas ilhas: os homens existem ... mas hoje eles estão proíbidos de sair de casa. Hoje é o dia delas e, senhores, aquilo é a loucura.

 

Em jeito de resumo, a imagem abaixo ilustra da perfeição as diferentes formas de ver como se passa essa noite.

 

dia de amigas.png

 

Amanhã é que são elas. 

 

As mais sóbrias da noite não se esquecem das figurinhas que muitas fizeram na noite passada e as mais, digamos, afoitas vão querer um buraquinho para se esconderem.

 

É assim todos os anos. Somos assim: uns loucos com tradições estranhas.

 

Romeiros de São Miguel

Ontem, 21 de Fevereiro, foi o primeiro dia de uma das tradições mais lindas e sentidas da ilha de São Miguel. Falo dos Romeiros - grupos de homens que saem do conforto dos seus lares para percorrerem durante 8 dias, as estradas da ilha de São Miguel, num lamúrio sentido e pesaroso.

17789_106802536182616_23017057_n.jpg

Esta tradição secular, remonta aos tempos medievais quando o povo micaelense, fustigado por diversas calamidades naturais, vistas na altura como castigos divinos pelos pecados do Homem, saíam à rua, passando por todas as capelas, igrejas e ermidas da ilha, num acto de penitência para se redimirem dos seus pecados e como um pedido de clemência a Deus. 

483651_106802789515924_971355903_n.jpg

Ao longo de oito dias, estes homens caminham numa reza contínua e sentida, apoiados por um bordão, aquecidos por um xaile e um lenço e munidos com uma sacola onde levam pouco mas o suficiente para se aguentarem ao longo do caminho. Acompanhados por dois terços - um pendurado ao pescoço e outro na mão - esperam pela guarida do povo da terra onde irão pernoitar. A noite é passada, muitas vezes, em casa de particulares que, ao saberem que um Rancho de Romeiros pernoitará na sua terra, corre à igreja para acolher quantos os que a sua casa permita receber e oferece-se uma refeição quente e água quente com sal para os pés fatigados das caminhadas.

625449_106802416182628_1801185437_n.jpg

Este ano, os romeiros estarão na rua de 21 de Fevereiro a 02 de Abril. São, ao todo, cerca de 55 Ranchos que irão estar nas ruas da ilha, a rezarem por eles e por todos aqueles que os abordarem e pedirem que façam uma oração por si e pelos seus.

392914_106802979515905_72788115_n.jpg

A quem passar pela ilha de São Miguel durante este período, pede-se especial atenção aos condutores: os ranchos estarão nas ruas das 04h00 às 19h00. Pede-se, então, muita atenção.

romeiros_1.jpg

romeiros_2.jpg

Se estiver de férias em São Miguel e tiver a sorte de se cruzar com o Rancho de Romeiros, desfrute da força daqueles homens e da fé enorme que os move, faça chuva ou faça sol. Fique em silêncio, observe e oiça aquelas vozes pesadas do cansaço e tente, apenas tente, não se sentir deveras emociado por toda a envolvência e pela força imensa destes homens.

 

As fotos utilizadas neste post foram retiradas da página de Facebook do Rancho de Romeiros da freguesia de Fenais da Luz - a minha terra natal. Se estiver interessado em acompanhar esta tradição micaelense, clique aqui e visite a sua página. Eles , neste momento, já se encontram nas ruas. Assim, desejo a todos eles toda a força e fé para a árdua semana que eles irão encontrar.

Bem hajam!