Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Nameless Blog

Já foi “Som das Letras” e um narcisista “Blogue da Paula”. Foi um prolongamento da eterna ínsula, tendo sido denominado como “Ilha Paula”. Hoje, é um blogue sem nome para que seja aquilo que sempre foi: um blogue sobre tudo e nada.

The Nameless Blog

Já foi “Som das Letras” e um narcisista “Blogue da Paula”. Foi um prolongamento da eterna ínsula, tendo sido denominado como “Ilha Paula”. Hoje, é um blogue sem nome para que seja aquilo que sempre foi: um blogue sobre tudo e nada.

As férias da Páscoa e os finalistas

Chegaram as férias da Páscoa e, como habitualmente, milhares de jovens finalistas rumam à vizinha Espanha para uma semana de desbunda, como forma de despedida da vida do secundário e uma introdução à vida louca que, muitos deles, irão viver durante os anos que passarem na Universidade.

 

Como habitualmente, todos os anos chegam notícias do comportamento destes jovens e, todos os anos, a coisa repete-se, por mais vigilância que haja nos resorts ou por mais avisos feitos.

Este ano, um destes jovens nem chegou a passar a fronteira. O autocarro onde seguia parou numa estação de serviço para abastecimento e foi vistoriado pelos polícias que por lá andavam. Um dos putos acagaçou-se de tal forma que se chibou sem que ninguém lhe tivesse perguntado nada. O que ele tinha consigo? Algumas doses de haxixe … as suficientes para andar uma semana no mundo da lua, a fazer estragos e, quem sabe, atirar-se na varanda do quarto pensando ser o Super-Homem. O puto não seguiu viagem. Ficou em Portugal enquanto os colegas partiram para Espanha. Ficou em Portugal e as autoridades chamaram os pais. O que fizeram estes pais? Não sabemos.

 

Este fim-de-semana, chegou outra notícias destes monstrinhos em forma de gente e que se sente muito adulta.

Um grupo de 1000 finalistas foi expulso de um hotel em Torremolinos depois de terem feitos distúrbios que chegaram a gastos de alguns milhares de euros.

Como já nada me surpreende neste momento, os paizinhos dos meninos culpam a escola pela malcriadez dos seus filhos pois, de acordo com os paizinhos, é dever da escola educar os filhos e, pronto, está tudo explicado. Os monstrinhos são assim porque os paizinhos são tão incapazes de verem que a educação deve começar SEMPRE em casa. Meus amigos, a escola ensina e a casa educa. É assim que a coisa funciona ou, pelo menos, deveria funcionar.

 

Como mãe de um futuro finalista, espero, verdadeiramente, conseguir fazer com que o herdeiro não se transforme numa destas bestas que destrói hotéis e envergonha os pais.

Digo, sem receios, que a culpa de estarmos perante comportamentos deste género é, sobretudo, da dita sociedade moderna que julga aqueles pais que repreendem os filhos na altura certa e que aplaudem aqueles que são escravos dos meninos e das suas vontades (ou devo dizer exigências?).

 

Infelizmente, a maior parte das crianças de hoje crescem sem saber o significado do “não” e de regras.

Há tempos, ouvi uma mãe muito próxima de mim dizer que não basta dizer à criança um não; há que explicar o porquê deste não.

No meu tempo (socorro, já utilizo a expressão “no meu tempo”), um “não” não carecia de mais explicação. Um “não” era um “não” e não havia mais conversa.

No meu tempo, bastava um olhar ou uma voz mais forte para ficar em sentido.

Dizem os pais modernos que isto era crescer tendo como a base o medo. Eu, que me considero uma mãe moderna, digo que se trata de crescer tendo como base o respeito pelos pais.

 

Temo pelo futuro e temo não conseguir vencer a sociedade que impõe regras estúpidas na educação das crianças, seja ela a de casa ou a da escola.

Fitas de Finalistas

A nossa sobrinha mais velha deixou-nos uma fita de finalista para assinar e estamos completamente em branco. Tão em branco estamos que até fomos ao Google fazer uma pesquisa com os seguintes termos "o que escrever numa fita de finalista."

Os que por aqui passarem e lerem o início deste texto irão dizer que devemos seguir o nosso coração e escrever qualquer coisa como "Apesar de esta ter sido uma fase complicada, os frutos serão bem colhidos agora que entrarás na vida profissional."

Acontece que a sobrinha em questão está a meses de fazer uma década de vida. Uma década apenas, senhores. As fitas são do 4.º ano. Do 4.º ano do ensino primário (ainda se chama ensino primário ou já mudou de nome?) e não do universitário (se bem que, hoje em dia, bastam 3 anos, na maior parte dos cursos, para se ter o grau de licenciada e até de mestre), que a miúda é inteligente mas não se trata de nenhum 'Sheldon Cooper' em versão feminina.

O que se escreve numa fita de uma miúda desta idade? É este o dilema que temos entre mãos e necessitamos da vossa preciosa ajuda, já que o sr. Google também não sabe o que responder e a nossa inexperiência com crianças faz com que não nos saia nada de jeito. O que escrever numa fita de alguém que só agora está a começar a sua vida académica? Que ainda não cantalorou que com a mão direita é penalti? Que ainda não passou pelas praxes, nem pelos exames nacionais e que ainda não sabe o significado de "marrar"?

Sou tão contra a esta vontade louca de fazer com que as crianças não sejam isso mesmo: crianças.
Tudo na vida tem o seu tempo exacto de acontecer. É por isso que estes momentos são mágicos, por serem únicos na vida de uma pessoa.

Vamos brincar aos "prós & contras"?
Fitas de Finalistas no final de cada ciclo escolar? Yay or nay?


Cunhada, não fiques zangada connosco. Sabes que amamos os teus miúdos também do infinito e mais além.
Sobrinha, quando fores crescida e descobrires que a tia iniciou uma coisa chamada blogue quando ainda eras um bebezinho e passares por aqui e leres este post, recorda-te que os tios são uns curtidos e que só querem o melhor para ti.