Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Nameless Blog

Já foi “Som das Letras” e um narcisista “Blogue da Paula”. Foi um prolongamento da eterna ínsula, tendo sido denominado como “Ilha Paula”. Hoje, é um blogue sem nome para que seja aquilo que sempre foi: um blogue sobre tudo e nada.

The Nameless Blog

Já foi “Som das Letras” e um narcisista “Blogue da Paula”. Foi um prolongamento da eterna ínsula, tendo sido denominado como “Ilha Paula”. Hoje, é um blogue sem nome para que seja aquilo que sempre foi: um blogue sobre tudo e nada.

A tua voz de primavera | Dia Mundial da Poesia

 

Manto de seda azul, o céu reflete

Quanta alegria na minha alma vai!

Tenho os meus lábios húmidos: tomai

A flor e o mel que a vida nos promete!

 

Sinfonia de luz meu corpo não repete

O ritmo e a cor dum mesmo desejo... olhai!

Iguala o sol que sempre às ondas cai,

Sem que a visão dos poentes se complete!

 

Meus pequeninos seios cor-de-rosa,

Se os roça ou prende a tua mão nervosa,

Têm a firmeza elástica dos gamos...

 

Para os teus beijos, sensual, flori!

E amendoeira em flor, só ofereço os ramos,

Só me exalto e sou linda para ti!

 

Florbela Espanca, in "A Mensageira das Violetas"

Dia Mundial da Poesia

Apesar de não ser uma leitora assídua de poesia, quando soube que o Teatro D. Maria II iria comemorar este dia em conjunto com o Centenário da Revista Orpheu, não poderia deixar de marcar presença neste evento. Foi um final de tarde fantástico passado a ouvir três textos de três grandes nomes da literatura portuguesa - Almada Negreiros, Fernando Pessoa e Mário Sá-Carneiro.

 

Às 16h30, Paula Mora apareceu na Varanda do Salão Nobre do Teatro e declamou o poema satírico de Almada Negreiros, o Manifesto Anti-Dantas que "visava uma geração literária cujo expoente máximo era Júlio Dantas. Anterior à Conferência de 1917 (início oficial do movimento Futurista em Portugal), este folheto de 8 páginas impresso em papel de embrulho foi uma das publicações mais polémicas por atacar não só a pessoa de Dantas, mas toda uma geração de literatas, escritores, jornalistas que ele próprio personificava."

 

 

Seguiu-se Pessoa, na voz de José Neves, no Átrio do Teatro. Na sala, encontrámos um rádio em cada mesa e uma cabine telefónica. Um silêncio estranho era o nosso companheiro enquanto esperávamos pela entrada do actor. Aos poucos, a sala encheu-se com os sons da natureza e de tempestade. O ambiente preparava-se para o início da leitura de O Guardador de Rebanhoso texto que, diz o mito, "no dia 8 de Março de 1914, Fernando Pessoa se abeirou de uma cómoda alta e escreveu, O Guardador de Rebanhos, assim fazendo nascer Alberto Caeiro e toda a aventura dos heterónimos."

 

Às 18h00, foi a vez de Mário de Sá-Carneiro e o seu Manucure subir ao palco do Salão Nobre, na voz de João Grosso. E foi, sem dúvida, um grande final ... Apoteótico!

Subimos ao primeiro andar, em direcção do Salão Nobre e João Grosso já lá estáva, sentado, a olhar para o infinito, à mesa de um café e fez-se magia ... Riu-se quando o poeta ria, chorou-se com ele, ficamos agoniados com a sua loucura e estado caótico.

 

E, como não foi permitido fazer reportagem de fotografia ou vídeo - com excepção do primeiro - acabo este ligeiro resumo com aquele que foi o meu momento predilecto da tarde e que me fez voar da cadeira e aplaudir de pé a grandiosidade de João Grosso.

 

MANUCURE

Na sensação de estar polindo as minhas unhas,
Súbita sensação inexplicável de ternura,
Tudo me incluo em Mim – piedosamente.
Entanto eis-me sozinho no Café:
De manhã, como sempre, em bocejos amarelos.
De volta, as mesas apenas – ingratas
E duras, esquinadas na sua desgraciosidade
Bocal, quadrangular e livre-pensadora...
Fora: dia de Maio em luz
E sol – dia brutal, provinciano e democrático
Que os meus olhos delicados, refinados, esguios e citadinos
Nem podem tolerar – e apenas forcados
Suportam em náuseas. Toda a minha sensibilidade
Se ofende com este dia que há-de ter cantores
Entre os amigos com quem ando às vezes –
Trigueiros, naturais, de bigodes fartos –
Que escrevem, mas têm partido político
E assistem a congressos republicanos,
Vão às mulheres, gostam de vinho tinto,
De peros ou de sardinhas fritas...
E eu sempre na sensação de polir as minhas unhas
E de as pintar com um verniz parisiense,
Vou-me mais e mais enternecendo
Até chorar por Mim...
Mil cores no Ar, mil vibrações latejantes,
Brumosos planos desviados
Abatendo flechas, listas volúveis, discos flexíveis,
Chegam tenuamente a perfilar-me
Toda a ternura que eu pudera ter vivido,
Toda a grandeza que eu pudera ter sentido,
Todos os cenários que entretanto Fui...
Eis como, pouco a pouco, se me foca
A obsessão débil dum sorriso
Que espelhos vagos reflectiram...
Leve inflexão a sinusar...
Fino arrepio cristalizado...
Inatingível deslocamento...
Veloz faúlha atmosférica...

E tudo, tudo assim me é conduzido no espaço
Por inúmeras intersecções de planos
Múltiplos, livres, resvalantes.

É lá, no grande Espelho de fantasmas
Que ondula e se entregolfa todo o meu passado,
Se desmorona o meu presente,
E o meu futuro é já poeira...

Deponho então as minhas limas,
As minhas tesouras, os meus godets de verniz,
Os polidores da minha sensação –
E solto meus olhos a enlouquecerem de Ar!
Oh! poder exaurir tudo quanto nele se incrusta,
Varar a sua Beleza – sem suporte, enfim! –
Cantar o que ele revolve, e amolda, impregna,
Alastra e expande em vibrações:
Subtilizado, sucessivo – perpétuo ao Infinito!...

Que calotes suspensas entre ogivas de ruínas,
Que triângulos sólidos pelas naves partidos!
Que hélices atrás dum voo vertical!
Que esferas graciosas sucedendo a uma bola de ténis! –
Que loiras oscilações se ri a boca da jogadora...
Que grinaldas vermelhas, que leques, se a dançarina russa,
Meia nua, agita as mãos pintadas da Salomé
Num grande palco a Oiro!
– Que rendas outros bailados!

Ah! mas que inflexões de precipício, estridentes, cegantes,
Que vértices brutais a divergir, a ranger,
Se facas de apache se entrecruzam
Altas madrugadas frias...
E pelas estações e cais de embarque,
Os grandes caixotes acumulados,
As malas, os fardos – pêle-mêle...
Tudo inserto em Ar,
Afeiçoado por ele, separado por ele
Em múltiplos interstícios
Por onde eu sinto a minh'Alma a divagar!...

– Ó beleza futurista das mercadorias!

– Sarapilheira dos fardos,
Como eu quisera togar-me de Ti!
– Madeira dos caixotes,
Como eu ansiara cravar os dentes em Ti!
E os pregos, as cordas, os aros... –
Mas, acima de tudo,
Como bailam faiscantes,
A meus olhos audazes de beleza,
As inscrições de todos esses fardos –
Negras, vermelhas, azuis ou verdes –
Gritos de actual e Comércio & Indústria
Em trânsito cosmopolita:

FRÁGIL! FRÁGIL!

843 – AG LISBON

492 – WR MADRID

Ávido, em sucessão da nova Beleza atmosférica,
O meu olhar coleia sempre em frenesis de absorvê-la
À minha volta. E a que mágicas, e m verdade, tudo baldeado
Pelo grande fluido insidioso,
Se volve, de grotesco – célere,
Imponderável, esbelto, leviano...
– Olha as mesas... Eia! Eia!
Lá vão todas no Ar às cabriolas,

Em séries instantâneas de quadrados
Ali – mas já, mais longe, em losangos desviados...
E entregolfam-se as filas indestrinçavelmente,
E misturam-se às mesas as insinuações berrantes
Das bancadas de veludo vermelho
Que, ladeando-o, correm todo o Café...
E, mais alto, em planos oblíquos,
Simbolismos aéreos de heráldicas ténues
Deslumbra m os xadrezes dos fundos de palhinha
Das cadeiras que, estremunhadas em seu sono horizontal,
Vá lá, se erguem também na sarabanda...

Meus olhos ungidos de Novo,
Sim! – meus olhos futuristas, meus olhos cubistas, meus olhos interseccionistas,
Não param de fremir, de sorver e faiscar
Toda a beleza espectral, transferida, sucedânea,
Toda essa Beleza-sem-Suporte,
Desconjuntada, emersa, variável sempre
E livre – em mutações contínuas,
Em insondáveis divergências...
– Quanto à minha chávena banal de porcelana?

Ah, essa esgota-se em curvas gregas de ânfora,
Ascende num vértice de espiras
Que o seu rebordo frisado a oiro emite...

É no ar que ondeia tudo! É lá que tudo existe!...

...Dos longos vidros polidos que deitam sobre a rua,
Agora, chegam teorias de vértices hialinos
A latejar cristalizações nevoadas e difusas.
Como um raio de sol atravessa a vitrine maior,
Bailam no espaço a tingi-lo em fantasias,
Laços, grifos, setas, ases – na poeira multicolor –.

(Mário de Sá-Carneiro, Lisboa - Maio de 1915)