Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Nameless Blog

Já foi “Som das Letras” e um narcisista “Blogue da Paula”. Foi um prolongamento da eterna ínsula, tendo sido denominado como “Ilha Paula”. Hoje, é um blogue sem nome para que seja aquilo que sempre foi: um blogue sobre tudo e nada.

The Nameless Blog

Já foi “Som das Letras” e um narcisista “Blogue da Paula”. Foi um prolongamento da eterna ínsula, tendo sido denominado como “Ilha Paula”. Hoje, é um blogue sem nome para que seja aquilo que sempre foi: um blogue sobre tudo e nada.

De mim para mim

Porque mereço; porque preciso de mimos; porque estou a dias de fazer anos ou só porque sim ...

 

Adultério, Paulo Coelho
"Linda é uma mulher de 31 anos que, aos olhos do mundo, tem uma vida perfeita: vive na Suíça, um dos países mais seguros do mundo, tem um casamento sólido e estável, um marido que a ama, filhos afetuosos e bem comportados e um emprego como jornalista do qual não se pode queixar. No entanto, pouco a pouco, começa a questionar a rotina e a previsibilidade dos seus dias. Já não consegue suportar o esforço que tem de fazer para fingir ser feliz quando, na verdade, a única coisa que consegue sentir pela vida é uma enorme apatia. Tudo isto muda quando ela encontra um ex-namorado da adolescência. Jacob é agora um político bem sucedido e, durante uma entrevista, desperta algo que há muito Linda não sentia: paixão. Perante isto ela fará de tudo para conquistar esse amor impossível, e terá de descer até ao fundo do poço das emoções humanas para encontrar enfim a sua redenção."
Mrs. Dalloway, Virginia Wolf
"A I Guerra terminou, o Verão apodera-se de Londres e Clarissa prepara-se para dar uma das suas habituais festas. Mas à medida que a noite se aproxima, o aparecimento de Peter Walsh, o seu primeiro amor, vai atiçar o passado, trazendo-lhe à memória os sonhos de juventude. E de súbito, Clarissa Dalloway, toma consciência  da força da vida em seu redor. 
A singularidade da obra vem dessa espécie de sósia de Mrs. Dalloway, que é Septimus Warren Smith, um homem prestes a enlouquecer com o trauma da guerra e com quem Clarissa parece partilhar uma mesma consciência (a escritora revela aqui as suas próprias angústias, quase como se de um auto-retrato se tratasse).
Septimus é um importante contraponto a Clarissa: uma chaga aberta, a sua dor é exposta ao mundo. Clarissa, por outro lado, esconde o seu silêncio, cobre-o com uma capa de falsa confiança, com festas. Ela lamenta o passado, encontra-se incerta acerca do momento presente e teme o futuro, o assustadoramente pouco familiar, e iminente, processo de envelhecer. Mas a obra também sugere que, tal como as personagens, as pessoas tendem a adaptar-se às circunstâncias, mesmo que isso não as faça feliz ...
Virginia Woolf expõe neste romance diferentes modos de sentir, evocando, mais que o espírito do tempo, o espírito do tempo, o espírito da própria vida no olhar de cada personagem. 
Mrs. Dalloway é a grande obra de Virginia Woolf, o primeiro dos seus romances a sair dos cânones tradicionais, adoptando a técnica da corrente de pensamentos com maestria. Mrs. Dalloway inspirou o livro As Horas, de Michael Cunningham, posteriormente adaptado ao cinema."
Cem Anos de Solidão, Gabriel García Márquez
"«Muitos anos depois, diante do pelotão de fuzilamento, o coronel Aureliano Buendía haveria de recordar aquela tarde remota em que o pai o levou a conhecer o gelo.» Com estas palavras - tão célebres já como as palavras iniciais do Dom Quixote ou À Procura do Tempo Perdido - começam este Cem Anos de Solidão, obra-prima da literatura contemporânea, traduzida em todas as línguas do mundo, que consagrou definitivamente Gabriel García Márquez como um dos maiores escritores dos nossos tempos.
A fabulosa aventura da família Buendía-Iguarán com os seus milagres, fantasias, obsessões, tragédias, incestos, adultérios, rebeldias, descobertas e condenações são a representação ao mesmo tempo do mito e da história, da tragédia e do amor do mundo inteiro.