Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Nameless Blog

Já foi “Som das Letras” e um narcisista “Blogue da Paula”. Foi um prolongamento da eterna ínsula, tendo sido denominado como “Ilha Paula”. Hoje, é um blogue sem nome para que seja aquilo que sempre foi: um blogue sobre tudo e nada.

The Nameless Blog

Já foi “Som das Letras” e um narcisista “Blogue da Paula”. Foi um prolongamento da eterna ínsula, tendo sido denominado como “Ilha Paula”. Hoje, é um blogue sem nome para que seja aquilo que sempre foi: um blogue sobre tudo e nada.

A Noite na Ilha, Pablo Neruda

Dormi contigo a noite inteira junto do mar, na ilha.
Selvagem e doce eras entre o prazer e o sono,
entre o fogo e a água.
Talvez bem tarde nossos
sonos se uniram na altura e no fundo,
em cima como ramos que um mesmo vento move,
embaixo como raízes vermelhas que se tocam.
Talvez teu sono se separou do meu e pelo mar escuro
me procurava como antes, quando nem existias,
quando sem te enxergar naveguei a teu lado
e teus olhos buscavam o que agora - pão,
vinho, amor e cólera - te dou, cheias as mãos,
porque tu és a taça que só esperava
os dons da minha vida.
Dormi junto contigo a noite inteira,
enquanto a escura terra gira com vivos e com mortos,
de repente desperto e no meio da sombra meu braço
rodeava tua cintura.
Nem a noite nem o sonho puderam separar-nos.
Dormi contigo, amor, despertei, e tua boca
saída de teu sono me deu o sabor da terra,
de água-marinha, de algas, de tua íntima vida,
e recebi teu beijo molhado pela aurora
como se me chegasse do mar que nos rodeia.

A saga de um pensador - a paixão pela vida, Augusto Cury

Já não me recordo como adquiri a obra do psiquiatra Augusto Cury; nem me recordo a razão da sua aquisição. Muitas vezes os livros aparecem nas minhas mãos por escolha própria, outras por escolha das críticas literárias que leio e ainda há vezes que os livros aparecem nas minhas mãos através de ofertas de revistas literárias. Esta última foi, provavelmente, a forma como A saga de um pensador - a paixão pela vida chegou até mim. E querem saber uma coisa? Ainda bem que aqui chegou!


 


Trata-se da história de Marco Polo - não o aventureiro e navegador veneziano do século XIII, mas um jovem estudante de medicina que, sendo um espírito livre cheio de sonhos e expectativas, embarca na grande aventura que é a vida.


 





Sinopse:
"Ao entrar para a faculdade, Marco Polo é confrontado com uma dura realidade: a da insensibilidade e frieza dos seus professores que não percebem que cada paciente é, mais do que um conjunto de sintomas, um ser humano com uma história complexa e única de perdas e desilusões.
Indignado, o jovem desafia profissionais de renome profissional para provar que os pacientes com perturbações psíquicas precisam de algo mais que remédios e diálogo - precisam de ser tratados como pessoas, como iguais. Numa luta constante contra a descriminação, Marco Polo vai provocando uma verdadeira revolução de mentalidades.


 


Cheios de expectativa e tensão, os caloiros da faculdade de medicina ficam chocados ao encontrar, na primeira aula de anatomia, o triste espectáculo de corpos sem identificação estendidos no mármore branco. Marco Polo, um jovem inteligente e audacioso, não consegue deixar de pensar nas vidas que estas pessoas viveram, nas histórias que teriam para contar ...


É ao tentar descobrir algo mais sobre esses seres anónimos que Marco Polo conhece Falcão, um filósofo sem-abrigo, um "indigente inteligente", que o leva a conhecer o mundo de sonhos frustrados, futuros desfeitos e esperanças mortas de quem perdeu tudo. Mas juntos, o jovem sonhador e o velho pensador vão, passo a passo, encetando um combate contra o preconceito, levando todos à sua volta a encarar a visa com um novo olhar, mais humano e mais solidário."


 

Nós e os livros

"E gosto de olhar para as minhas paredes forradas de livros. Eles reflectem a minha vida, a minha história, os meus interesses. Nada me dá tanto conforto como a visão da minha biblioteca caseira. É o sinal de que estou em casa."



Vera Nobre Costa


In, Os meus livros, n.º 85, Ano 7, Março 2010; pp. 82


 

Pág. 3/3